script async>(function(w, d) { w.CollectId = "5da4d73afdafc775be79501b"; var h = d.head || d.getElementsByTagName("head")[0]; var s = d.createElement("script"); s.setAttribute("type", "text/javascript"); s.setAttribute("src", "https://collectcdn.com/launcher.js"); h.appendChild(s); })(window, document);

As garantias mais utilizadas no mercado imobiliário nem sempre são as mais seguras para locador e locatário

Encontrar um fiador, principalmente em tempos de crise, não é a mais simples das tarefas: trata-se de uma situação delicada que exige confiança e responsabilidade mútuas e que pode até prejudicar o relacionamento com um amigo ou parente. Além disso, são muitas as exigências para alguém se tornar um fiador: renda compatível de até três vezes o valor do aluguel e imóvel com escritura na cidade onde será firmado o contrato de locação são algumas das condições mais comuns impostas pelas imobiliárias, que ainda pedem extensa documentação para comprovar esses requisitos, tornando o processo ainda desgastante para quem vai fazer o favor.

Apesar de ser a mais usada, a garantia por meio de terceiros não é a única disponível para quem precisa alugar. Conheça as alternativas que o mercado oferece:

  • Caução/depósito de três aluguéis: segundo pesquisa do Sindicato da Habitação (secovi-SP) é a garantia mais utilizada depois do fiador. Ela é realizada mediante depósito do valor de três aluguéis, quantia que retorna ao locatário quando o imóvel for desocupado. Apesar de acessível, ela oferece riscos para as duas partes, pois, em caso de inadimplência, o débito pode ultrapassar o valor depositado. É importante ressaltar, ainda, um comportamento que mesmo sendo proibido por lei, é corriqueiro: o inquilino quer devolver as chaves e o proprietário alega não ter disponível a quantia investida para reembolsá-lo. Normalmente, a contragosto, o locatário é induzido a permanecer por mais três meses no imóvel.

 

  • Título de capitalização: Para evitar os problemas comuns com a caução, o mercado está incentivando a utilização de títulos como fiança, uma opção prática e segura para ambas as partes. O valor é negociado entre os envolvidos – podendo contemplar não só três aluguéis, mas também despesas de IPTU e condomínio. Ao final do contrato, caso o inquilino não esteja devendo nada ao proprietário, o valor é resgatado integralmente (com correção) ao entregar as chaves. Além disso, é costume desta modalidade trazer prêmios em dinheiro, sorteados para o locatário, além de oferecer gratuitamente serviços residenciais, como chaveiro e eletricista.

 

  • Seguro fiança: é uma ótima opção para quem procura substituir o fiador ou a caução. A modalidade pode custar menos que um aluguel ao ano e contempla, em caso de inadimplência, as mensalidades da locação, além de despesas acessórias, como condomínio, contas de água, luz e gás e IPTU. As seguradoras também oferecem outras assistências, entre elas chaveiro, encanador e eletricista. Para locações com valores até R$ 2 mil, como é o caso da maioria das residenciais, há novas opções no mercado, mais simples, e que cabem no bolso do inquilino, como o Fiança Fácil: http://www.fiancafacil.com.br/